Versão Beta
Close

De viagem marcada para Las Vegas, Torph quer o reconhecimento fora do universitário

O cenário universitário ainda é pouco para o jogador, que exala ambição por algo maior

por Gabriel Reis

Do universitário para o mundo, Lucas Barbosa, o Torph, será um dos representantes brasileiros no Masters Tour Las Vegas 2019, a primeira parada do novo circuito competitivo da modalidade. Torph joga profissionalmente pela Unicamp Tritons, time de esports da Universidade Estadual de Campinas. Nascido em Franca, São Paulo, o jogador se mudou para Campinas em 2014 após ser aprovado para o curso de engenharia elétrica.

Em contato com os videogames desde os três anos, o rapaz de 23 anos nunca imaginou que poderia se tornar um jogador profissional, mas foi na faculdade onde tudo mudou. Embora não se dedicasse o suficiente para os palcos, ele se viu desafiado a participar da seletiva para o time de Hearthstone da Unicamp Tritons para a primeira temporada de 2017 do TUES, maior torneio universitário do país.

“Foi aí que meu espírito competitivo falou mais alto e comecei a me dedicar, representando a Unicamp Tritons em diversas oportunidades”, recordou ao Card na Manga.

Foi através do time universitário que o Torph conheceu o Balbs, que se tornou um dos seus maiores aliados, dentro e fora de jogo. Entre idas e vindas, assim como o seu companheiro de equipe, Torph destaca a viagem para Portugal – onde disputaram o desafio universitário internacional – como um dos melhores momentos que já viveram juntos graças ao Hearthstone.

Torph e Balbs foram campeões do ULE no ano passado (Foto: Reprodução)
Torph e Balbs foram campeões do ULE no ano passado (Foto: Reprodução)

“A viagem para disputar o desafio internacional em Portugal foi realmente incrível. Senti um grande reconhecimento e me dediquei o máximo que podia para ser o melhor. Nunca tinha visitado a Europa antes disso, então foi uma experiência muito diferente para mim”.

Dos momentos dentro de jogo, ele relembra a grande final da primeira etapa do TUES em 2018: “ Ficamos com um de vida por diversos turnos, com chances de ter perdido em todos pelo hero power do Ragnaros. Tivemos que tomar diversas decisões muito difíceis, jogamos para ganhar e conseguimos virar a partida no final. Foi uma sensação incrível”, detalha.

Diferente do seu colega, o Torph olha para o competitivo com outros olhos e deixar de competir é algo que não se mostra presente em seus momentos de fala: “Por hora, estou focado em fazer o meu melhor no Masters e ver se isso é o suficiente para eu me destacar no cenário. Eu espero dar o meu melhor e conhecer mais pessoas do competitivo”.

O cenário universitário ainda é pouco para o jogador, que exala ambição por algo um pouco maior: “Tive um bom desempenho no cenário universitário, no qual fiquei conhecido, mas nunca participei de muita coisa além disso. Acredito estar entrando em uma nova etapa agora”.

“Mudou muito”, afirma quando perguntado sobre o Hearthstone ter mudado a sua vida. “Principalmente pelos contatos que fiz ao longo desses anos, as amizades, e as competições que participei, foram algo completamente diferente da experiência que tive com outros jogos”.

Colaboradores da Comunidade Card na Manga